quinta-feira, 25 de junho de 2009

Até mais ver

A homenagem da CNN, a secura do UOL e o sensacionalismo do Terra: não há, de fato, jeito bom de noticiar essas coisas


O mundo se divide em dois grupos de pessoas: o das que amam Michael Jackson e o das que são indiferentes. Porque dizer que odeia – tirando esses ódios birrentos da molecada do Orkut – nunca vi ninguém. E olha que Michael dava motivos.

Eu, que sou do grupo dos indiferentes, não lamento a morte dele mais do que a de outro desconhecido. Só acho chato que ele tenha morrido antes de começar sua nova turnê e ter a chance de provar – ou não – que ainda retinha alguma parte de seu encanto.

Descanse em paz, Michael.

Aposto meu braço esquerdo que essa cena está ocorrendo de verdade neste momento, em algum lugar

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

Ah, pera! Tem a Farrah Fawcett também!

Coitada da Farrah. Morreu de câncer anal, prestes a se casar e... perdeu as manchetes do dia para o Rei do Pop.

Tenso isso, porque a morte dela foi sofrida e, aparentemente, lenta.

Fica a lembrança então para um dos maiores ícones dos anos 70 e para um dos penteados mais incríveis que a TV já produziu.

Descanse em paz, Farrah.

Farrah, angel sem holofotes: “te pego na saída, Wacko”
.

2 comentários:

Luiza disse...

Olha... se Madonna tivesse morrido hoje também, era o fim dos homossexuais no planeta.

ia rolar um suicídio gay coletivo, certeza.
hahahaha


Enfim, descansem em paz os dois.
;*

Ana Luiza disse...

sei lá.. tudo tão diferente agora né. eu ainda apostava no michael